Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2014

Dia do Psicopedago 12 de novembro

O “Dia do Psicopedagogo” foi instituído pela ABPp- Associação Brasileira de Psicopedagogia – na gestão de Nívea Maria de Carvalho Fabrício – 1999 – 2001 – em reunião do Conselho Nacional realizada no Colégio Graphein, em São Paulo.

A escolha da data – 12 de novembro – se deu para relembrar a fundação da Associação de Psicopedagogos de São Paulo, primeira entidade a congregar estes profissionais no país e que, em 1980, transforma-se na Associação Brasileira de Psicopedagogia, entidade que congrega, representa e divulga o conhecimento e a prática produzida pelos psicopedagogos e que, atualmente, está engajada no processo de legalização da profissão no país.

O objetivo de a ABPp ter instituído o “Dia do Psicopedagogo” foi o de divulgar a Psicopedagogia junto ao público em geral, colaborando para ampliar o alcance deste trabalho em todas as classes sociais. No Brasil, hoje ou nos próximos dias, são comemoradas as conquistas efetivadas pelos profissionais que se dedicam a estudar e a atuar…

Psicopedagogia em 8 passos

Psicopedagogia é uma área de conhecimento transversal à Educação em todos os seus ramos, inclusive à Educação a Distância. Portanto, veja em 8 passos em que consiste a Psicopedagogia:

1- A Psicopedagogia é uma área de conhecimento (estudos teóricos, pesquisas) e de atuação prática sobre o processo de aprendizagem humano;

2- Enquanto conhecimento interessa a todo aquele que se dedica à Educação, na medida em que possibilita uma análise das teorias relacionadas com as ações de aprender e ensinar;

3-Enquanto prática pode ser exercida de forma preventiva, em instituições de qualquer natureza, ou de forma terapêutica, em clínicas ou consultórios, com terapia da aprendizagem;

4- Seu objeto de estudo é o “ser cognoscente”, ou seja, o sujeito que se dirige para a realidade e dela retira um saber, o ser humano que constrói e recria conhecimentos;

5- A aprendizagem é compreendida pela Psicopedagogia como “processo vital”, ou seja, como um componente que mantém o sujeito ativo e, portanto, vivo.